Iolanda dos Santos Mendonça: a participação das mulheres em movimentos indígenas (1970-2000)

  • Márcia Cristiane Ferreira Mendes Universidade Estadual do Ceará
  • Maria Aparecida Alves da Costa Universidade Estadual do Ceará
  • Cristine Brandenburg Universidade Federal do Ceará
  • Lia Machado Fiuza Fialho Universidade Estadual do Ceará

Resumen

El presente estudio revela las historias y recuerdos de la indigenista Iolanda dos Santos Mendonça, centrándose en sus contribuciones al escenario educativo y a los movimientos indígenas entre los años 1970 y 1996. A través de la investigación apoyada teóricamente, en los supuestos de "Historia Cultural" ( Burke, 2008), del tipo "biográfico" (Dosse, 2009; Loriga, 2011), Thompson (1992), Meihy y Holanda (2007) y Meihy, Ribeiro, (2011), busca comprender los avances de su investigación en el campo de Historia Oral. Se utilizaron las oralidades de la biógrafa Iolanda dos Santos Mendonça grabadas, transcritas, textualizadas y validadas. Los análisis nos permitieron constituir una narrativa sobre la educación indígena y el desempeño profesional de Iolanda, informando su participación en el escenario educativo y en los movimientos indígenas, cuyo enfoque principal fue la búsqueda de mejoras para la educación indígena y la calidad de vida de su pueblo. Toda su trayectoria de vida tuvo lugar en el territorio brasileño, municipio de Baía da Traição PB, en Aldeia do Forte, así como parte de su formación académica, pasando por una educación tradicional, con disciplinas rígidas y, ante tal rigor, dirigido a una educación diferenciada para escuelas en pueblos indígenas.

Palabras clave: Iolanda dos Santos Mendonça, Biografía, Movimiento indígena, Historia oral

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Márcia Cristiane Ferreira Mendes, Universidade Estadual do Ceará

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará – UECE

Maria Aparecida Alves da Costa, Universidade Estadual do Ceará

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará – UECE

Cristine Brandenburg, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Educação Brasileira na Universidade Federal do Ceará – UFC

Lia Machado Fiuza Fialho, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Estadual do Ceará – UECE

Referencias

Abu-El-Haj, M. F., y Fialho, L. M. F. (2019). Formação Docente e Práticas Pedagógicas Multiculturais Críticas. Revista Educação em Questão, (57), 1-27. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/17109 .

Alberti, V. (2005). Manual de História Oral. Rio de Janeiro, Brasil: FGV.

Ananias, M., y Santos, L. R. (2019). Quando o homem sabe ler, escrever e contar, pode, por sua própria individualidade, desenvolver - se e esclarecer-se: a escolarização de crianças pobres na província da Parahyba do Norte (1855-1866). Educação & Formação, 10(4), (9) 66-80.

Aragão, M. (2013). Práticas de Castigos Escolares: a palmatória como Símbolo em Salas de Aula Sergipanas. Brasil: Sociedade Brasileira de História da Educação.

Araújo, R. M., y Esteves, M. M. (2020). A formação docente, inicial e contínua, para o trabalho com adultos em Portugal: o olhar dos professores. Educação & Formação, 4(2), 18-35. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/121

Bego, A. (2020). Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, 2(1), 3-24. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/98

Burke, P. (2010). A Escola dos Annales 1929-1989: a revolução Francesa da Historiografia. Brasil.

CIMI. (2019). Conselho Indigenista Missionário. Recuperado de https://cimi.org.br/o-cimi/

Dosse, F. (2015). O Desafio Biográfico: escrever uma vida. Tradução de César Cardoso de Souza. Brasil.

Esteves, P. S. (2019). A perspectiva dos estudantes diante da violência que enfraquece as relações intersubjetivas no cotidiano escolar. Educação & Formação, 4(11), 60-81. Recuperado de https://doi.org/10.25053/redufor.v4i11.227

Fernandes, R. F. (2017). Movimentos Indígenas no Brasil: O Caráter Étnico dos Movimentos Sociais da Segunda Metade do Século XX. XXIX Simpósio Nacional de História: Contra os Preconceitos: História e Democracia. Recuperado de: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502109195_ARQUIVO_MovimentosIndigenasnoBrasil-ANPUH-FernandoFernandes.pdf

Fialho, L. M. F. (2016). Assistência à criança e ao adolescente "infrator" no Brasil: breve contextualização histórica. (S.L.).

Fialho, L. M. F., Lima, A. M. S., y Queiroz, Z. F. (2019). Biografia de Aída Balaio: prestígio social de uma educadora negra. Educação Unisinos (23), 48-67. Recuperado de http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2019.231.04

Fialho, L. M. F., Santos, F. M. B., y Sales, J. A. M. (2019). Pesquisas Biográficas na História da Educação. Cadernos de Pesquisa, 2(6), 11-29. Recuperado de http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/12743/6898

Fialho, L. M. F., Silva, J. F. L, y Ferreira, E. M. B. (2020). Grafismo corporal indígena: tecendo memórias Tucuns. Revista Educação e Cultura Contemporânea 17(48), 213-23. Recuperado de http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/6301
Fialho, L. M. F., Sousa, N. M. C., y Diaz, J. M. H. (2020). Rosa Maria Barros Ribeiro: memórias da trajetória formativa para docência. Revista Cocar, (8), 371-387. Recuperado de https://paginas.uepa.br/seer/index.php/cocar/article/view/3083

Fialho, L. M. F., Vasconcelos, J. G., y Santana, J. R. (Org.). (2015). Biografia de Mulheres. (S.L.).

Fialho, L. M. F., y Carvalho, S. O. C. (2017). História e memória do percurso educativo de Célia Goiana. Série-Estudos, (22), 137-157. Recuperado de http://www.serie-estudos.ucdb.br/index.php/serie-estudos/article/view/992

Fialho, L. M. F., y Freire, V. C. C. (2018). Educação formativa de uma líder política cearense: Maria Luiza Fontenele (1950-1965). Cadernos de História da Educação, (17), 343. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/43290

Fialho, L. M. F., y Queiroz, Z. F. (2018). Maria Neli Sobreira: história e memória da educação em Juazeiro do Norte. Educar em Revista, (34), 67-84. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-40602018000400067&lng=pt&nrm=iso

Fialho, L. M. F., y Sa, E. C. V. (2018). Educadora Henriqueta Galeno: a biografia de uma literata e feminista (1887- 1964). Revista História da Educação (22), 169-188. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/75182

Florêncio, L. R. S., Fialho, L. M. F., y Almeida, N. R. O. (2017). Política de Formação de Professores: A ingerência dos Organismos Internacionais no Brasil a partir da década de 1990. Holos, (5) 303-312. Recuperado de http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/5757

Fonseca, A. D., Colares, A. A., y Costa C. A. (2019). Educação infantil: história, formação e desafios. Educação & Formação, 4(12), 82-103. Recuperado de https://doi.org/10.25053/redufor.v4i12.1270

Foucault, M. (1998). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Brasil: Vozes.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Brasil: Paz e Terra.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Brasil: Afiliada.

Genú, M. (2018). A abordagem da ação crítica e a epistemologia da práxis pedagógica. Educação & Formação, 3(9), 55-70. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/856

Lara, A. M. (2020). Políticas de redução da desigualdade sociocultural. Educação & Formação, 3(1),140-153. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/118

Le Goff, J. (2003). História e memória. Campinas, Brasil: Unicamp.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, Lei nº 9.394, (20 de dezembro de 1996).

Lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências, Lei no 10.639, (9 de Janeiro de 2003). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm

Lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”, Lei nº 11.645, (10 Março de 2008). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/lei/L11645.htm .

Lima, A., y Azevedo, M. L. (2020). Processo de institucionalização da política nacional e estadual de formação docente: proposições e resistências no Paraná. Educação & Formação, (4) 12. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/1126

Machado, C. J. S. (2005). A dimensão da Palavra: práticas de escrita de mulheres. João Pessoa, Brasil: UFPB.

Marques, J. (2017). Além da história, a tradição oral: considerações sobre o ensino de história da África na educação básica. Educação & Formação, 2(5), 164-182. doi: 10.25053/edufor.v2i5.1929.

Meihy, J. C. S. B., y Holanda, F. (2007). História Oral: como fazer, como pensar. São Paulo, Brasil: Contexto.

Mendes, M. C. F., Fialho, L. M. F., y Machado, C. J. S. (2019). Argentina Pereira Gomes: disseminação de -inovações- didáticas na educação primária na década de 1930. Revista Diálogo Educacional, (19), 527-550. Recuperado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/viewFile/24959/23519

Mororó, L. (2017). A influência da formação continuada na prática docente. Educação & Formação, 4(2), 36-51. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/122

Perrot, M. (2008). Minha História das Mulheres. São Paulo, Brasil: Contexto.

Pinto, C. R. J. (2003). Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo, Brasil: Fundação Perseu Abramo.

Santos, A. (2017). A racionalidade coletiva como paradigma organizativo do MST. Educação & Formação, 2(5), 111-130. Recuperado de https://doi.org/10.25053/edufor.v2i5.2034

Saviani, D. (2013). História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Soares, M. B. (2019). Formação permanente de professores: um estudo inspirado em Paulo Freire com docentes dos anos iniciais do ensino fundamental. Educação & Formação, 5(13), 151-171. Recuperado de https://doi.org/10.25053/redufor.v5i13.1271

Suescún, M. (2020). Políticas públicas educativas en el contexto social colombiano de la década de los 70 del siglo XX. Educação & Formação. 1(1), 65-87. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/92

Therrien, J., Azevedo, M. R., y Lacerda, C. A (2017). Racionalidade pedagógica nos processos de mediação à produção de sentidos e de aprendizagem aos saberes. Educação & Formação, (2), 186-199. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/166

Thompson, P. (1992). A voz do passado. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra.

Torres, J. M. (2017). Exclusión social y educación superiora: la respuesta pedagógica. Educação & Formação, 6(2) 03-16. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/157
Vasconcelos, J. G., Fialho, L., y Lopes, T. M. (2018). Educação e liberdade em Rousseau. Educação & Formação, 8(3), 210-223. Recuperado de https://revistas.uece.br/index.php/redufor/article/view/278

Vidal, L. (2000). Grafismo indígena: estudos de Antropologia Estética. São Paulo, Brasil: Studio Nobel: Fapesp.

Fontes Orais:

Mendonça, I. dos S. (2018). Iolanda dos Santos Mendonça. Depoimento [12/07/2018]. Entrevistadora: Márcia Cristiane Ferreira Mendes. João Pessoa.
Publicado
2020-06-30
Sección
DOSSIER VIII ENCUENTRO INTERNACIONAL DE HISTORIA ORAL Y MEMORIAS