Mosteiro e Colégio de São Bento: um estudo centrado na educação monástica e seus monumentos

  • Cristiane Correa Strieder Universidade de Sorocaba (UNISO)
  • Vania Regina Boschetti Universidade de Sorocaba (UNISO)

Resumen

La investigación tiene como objetivo entender los monumentos católicos como recursos que exhiben y perpetúan sus valores. Señala la presencia y el desempeño de la Orden de São Bento en educación y cultura, expansión y difusión de sus principios representados simbólicamente en sus construcciones religiosas e instituciones educativas evidenciadas por una pedagogía de la memoria. Considerando que la sociedad está en constante transformación, buscamos comprender cómo los dogmas del gobierno de São Bento fueron y se propagan a través de sus instituciones escolares. Por lo tanto, la metodología de investigación se centra en la investigación monumental e iconográfica del conjunto monástico de São Bento en la ciudad de São Paulo, Brasil, y cómo estos elementos están asociados con factores pedagógicos, metodología y la recepción de conceptos a través de la simbología. El análisis descriptivo se inserta en el estudio de las características del Monasterio de São Bento, con el objetivo de comprender su función como institución escolar. La investigación documental tiene como objetivo recopilar datos que favorecen la verificación de las prácticas que apoyan a la escuela. Empíricamente, los testimonios de la persona a cargo del monasterio, de las autoridades de la Orden de São Bento y el diálogo con los estudiantes y participantes de la institución de la escuela monástica ayudan a aclarar los elementos simbólicos presentes en la educación benedictina actual.

Palabras clave: Educación confesionario, Monumento, Orden de São Bento

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Cristiane Correa Strieder, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Pós-Graduação lato sensu: Psicopedagogia e Didática do Ensino Superior.

Pós-Graduação Strictu Sensu: Mestrado em Educação pela Universidade de Sorocaba (2017-2010).

Aluna do Departamento de Pós-Graduação – Doutorado em Educação pela Universidade de Sorocaba (desde 2017).

Rede Pública Estadual -Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Vania Regina Boschetti, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Rede Pública Estadual -Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Referencias

AMARAL, D.E. D’A. do. (2010). Papel e função do claustro na arte monástica de construir. Recuperado de http://sacroespaco.blogspot.com.br/2017/03/papel-e-funcao-do-claustro-na-arte.html

Barbosa, J.B. Neto. (2013). Livro 110 anos do Colégio de São Bento (1903-2013). Mosteiro de São Bento de São Paulo. Recuperado de http://colegiodesaobento.com.br/professores/livro-110-anos-do-colegio-de-sao-bento/

Bloch, M. (2001). Apologia da História ou O Ofício de Historiador. Rio de Janeiro, Brasil: Jorge Zahar Editor.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. (F. Tomaz Trad.). Rio de Janeiro, Brasil: Ed. Bertrand.

Buffa, E. & Pinto, G. A. (2002). Arquitetura e educação: organização do espaço e propostas pedagógicas dos grupos escolares paulistas (1893 – 1971). São Carlos, Brasil: Ed Ufscar.

Cerri, L.F. (1998). NON DUCOR, DUCO: A ideologia da paulista unidade e a escola. Revista Brasileira de História, 18(36). Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881998000200007

DelNegro, P. S. B. (2000). O Mosteiro de São Bento de Sorocaba e a Arquitetura Benditina do Litoral Brasileiro e do Planalto Paulista nos Séculos XVII, XVIII, XIX (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil.

Diel, P. F. (2017). As escolas dos mosteiros medievais: dinâmica social, didática e pedagogia. Revista Educação Unisinos, 21(3). Recuperado de revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/download/edu.2017.213.14/6343.

Escolano, A. (1998). Arquitetura como programa. Espaço, escola e currículo. In: Escolano, A. & Viñao Frago, A. Currículo, espaço e subjetividade. A arquitetura como programa. (A. Veiga Neto Trad.). Rio de Janeiro, Brasil: DP&A.

Febvre, L. (1989). Combates pela história. (3ª ed.). Lisboa, Portugal: Editorial Presença.

Funari, P.P.A. (1995). A Antiguidade Clássica: A História e a cultura a partir dos documentos. Campinas, São Paulo, Brasil: Editora da UNICAMP.

Guimarães, C. A. A., Trajano, C. M. V., Vitório, E., Costa, R. O., y Dias, W. M. S. (S.F.) Manual para Adequação de Prédios Escolares. (5 ed.). Brasília, Brasil: Fundescola/DIPRO/FNDE/MEC. 50.

Holanda, S. B. de. (1969). Visão do Paraíso. São Paulo, Brasil: Brasiliana.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (S.F.) Mosteiro de São Bento: Nossa Senhora do Rosário. São Paulo, Brasil: Autor. Recuperado de http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo.html?view=detalhes&id=439425

Le Goff, J. (Org.). (1989). O homem medieval. Porto/Lisboa, Portugal: Editorial Presença.

Le Goff, J. (2003). História e Memória. (R. Leitão. Trad.) (5a ed). Campinas, São Paulo, Brasil: Editora da UNICAMP.

Luz, M.L.S (Org.)., Mazia, C.R.O., Kachba, Y.R., y Okoshi, C.Y. (2005, 07 a 09 de novembro). A influência da estrutura e ambientes ergonômicos no desempenho educacional. XII SIMPEP - Bauru, São Paulo, Brasil.

Manoel, I. A. (2004). O pêndulo da história – tempo e eternidade no pensamento católico (1800-1960). Maringá, Brasil: Eduem.

ManoeL, I.A. (2007- abril/junho). História, religião e religiosidade. Revista de Cultura Teológica, 15(59). doi: https://doi.org/10.19176/rct.v0i59.15668

Nursinus,B. (S.F.). Regra Monástica. Recuperado de http://www.documentacatholicaomnia.eu/03d/04800547,_Benedictus_Nursinus,_Regra_Monastica,_PT.pdf

Desconhecido. (2016). O Mosteiro de São Bento no Coração de São Paulo. Recuperado de http://mosteiro.org.br/o-mosteiro/

Orlandi, E. P. (1999). Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, Brasil: Pontes.

Rosa, L. R.O. (2011). A Igreja Católica Apostólica Romana e o Estado Brasileiro: estratégias de inserção política da Santa Sé no Brasil entre 1920 e 1937 (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Franca, São Paulo, Brasil. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/103109.

Rossi, J., y Assunção, P. (2020). São Paulo, cidade imperial. São Paulo, Brasil: Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP, Instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Rugiu, A.S. (1988). Nostalgia do mestre artesão. (Coleção Memória da Educação). Campinas, Brasil: Autores Associados.

Sales, L. C. (2002). Prédios escolares: representações sociais das escolas. Revista de Ciências Humanas, (Especial Temática) (6), 333-342. doi: https://doi.org/10.5007/%25x

Saviani, D. (2004). Breves considerações sobre fontes para a história da educação. In LOMBARDI, J.C; NASCIMENTO, M.I.M (org.) Fontes, História e Historiografia da Educação. Campinas, (Coleção Memória da Educação). São Paulo: Autores Associados.

Saviani, D., Lombardi, J.C., y Sanfelice, J.L. (Orgs.). (2006). História e História da Educação. (3a ed.). (Coleção Educação Contemporânea). Campinas, Brasil: Autores Associados/HISTEDB

Saviani, D. (Org.) (2011). Estado e políticas educacionais na educação brasileira. Vitória, Brasil: Editora EDUFES.

Souza, J. V. A (2010, 19 a 23 de julho). Territorialização e reciprocidades na expansão de uma Ordem: o patrimônio fundiário dos beneditinos na Bahia e em São Paulo, notas de pesquisa. Associação Nacional de História. XIV Encontro Regional da ANPUH-Rio. Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de http://www.encontro2010.rj.anpuh.org/resources/anais/8/1276169469_ARQUIVO_Territorializacaoereciprocidades.pdf

Souza, R. F. de (1998). Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo: (1890-1910). São Paulo, Brasil: Fundação editora da UNESP.

Tavares, C. (2004, dezembro) Os beneditinos e a sociedade colonial (1580-1611). (monografia) Universidade Federal do Paraná.Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. Departamento de História. Curitiba, Brasil.

Viñao Frago, A., y Escolano, A. (2001) Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. (A. Veiga Neto Trad.). (2a ed.). Rio de Janeiro, Brasil: DP&A.

Voegelin, E. (2012). História das Ideias Políticas. Idade Média até Tomás de Aquino. (vol. 2) São Paulo, Brasil: É Realizações.
Publicado
2020-06-30
Sección
DOSSIER VIII ENCUENTRO INTERNACIONAL DE HISTORIA ORAL Y MEMORIAS