Análisis estructural de prescripciones medicamentosas de uma unidad de terapia intensiva cardiológica
PDF

Cómo citar

Viana Braga Carvalho, J., Calispto de Rezende, G., Peclat Flores, P., Benevides Moreira, M., Kirton dos Anjos, M., Andrade Conceição Stipp, M., & Oroski Paes, G. (2022). Análisis estructural de prescripciones medicamentosas de uma unidad de terapia intensiva cardiológica. Salud UIS, 54. https://doi.org/10.18273/saluduis.54.e:22044

Resumen

Introdução: A segurança do paciente é definida como a redução, ao mínimo aceitável, do risco de danos
desnecessários associados ao cuidado à saúde. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária normatiza a estrutura de
uma prescrição medicamentosa, especificando os itens indispensáveis, pois esta é uma etapa crítica no processo de medicação. Objetivo: analisar estruturalmente as prescrições medicamentosas de pacientes internados em terapia intensiva cardiológica comparando-as com as recomendações ditadas pelo Protocolo de Segurança na Prescrição de medicamentos do Ministério da Saúde. Metodologia: Estudo descritivo, transversal, de análise documental retrospectiva através da verificação de 133 prescrições medicamentosas no pós-operatório de cirurgia cardíaca. As prescrições foram analisadas quanto à estrutura e adequação às recomendações do protocolo de segurança medicamentosa do MS. Resultados: Ao que compete a análise estrutural, 100 % (133) continham identificação correta do paciente, do prescritor e registro da data. Em contrapartida, 100 % eram do tipo manuscritas e apenas uma (1) possuía notificação de alergia, elevando a possibilidade de erros. A identificação do paciente, prescritor e registro de data são dados de validação imprescindíveis nas prescrições. Conclusão: A análise das prescrições é uma importante medida para identificação de fatores de risco e prevenção de eventos adversos.

https://doi.org/10.18273/saluduis.54.e:22044
PDF

Referencias

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Uso seguro de medicamentos: guia para preparo, administração e

monitoramento. São Paulo: COREN-SP, 2017.

World Health Organization. Medication Without Harm - Global Patient Safety Challenge on Medication Safety. Geneva: 2017. Licence: CC BY-NC-SA 3.0 IGO. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/255507/1/WHO-HIS-SDS-2017.11-eng.pdf

Volpe CRG, Melo EMM, Aguiar LB, Pinho DLM, Stival MM. Risk factors for medication errors in the electronic and manual prescription.

Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016; 24: e2742. doi: https://doi.org/10.1590/1518-8345.0642.2742

Mattsson TO, Holm B, Michelsen H, Knudsen JL, Brixen K, Herrstedt J. Non-intercepted dose erros in prescribing anti-neoplastic

treatment: a prospective, comparative cohort study. Ann. Oncol. 2015; 26(5): 981-986. doi: https://doi.org/10.1093/annonc/mdv032

Ministério da Saúde - Brasil. Protocolo de segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos do Ministério da Saúde. Brasília, 2013.

Garske CCD, Brixner B, Freitas AP, Schneider APH. Avaliação das interações medicamentosas potenciais em prescrições de pacientes em unidade de terapia intensiva. Saúde e Pesquisa. 2016; 9(3): 483-490. doi: https://doi.org/10.17765/1983-1870.2016v9n3p483-490

Hernandez F, Majoul E, Montes-Palacios C, Antignac M, Cherrier B, Doursounian L; et al. An observational study of the impact of a computerized physician order entry system on the rate of medication errors in an orthopaedic surgery unit. PLoS ONE. 2015; 10(7): e0134101. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0134101

Paterson R, Rolfe A, Coll A, Kinnear M. Interprofessional prescribing masterclass for medical students and non-medical prescribing students (nurses and pharmacists): a pilot study. Scott Med J. 2015; 60(4): 202–207. doi: https://doi.org/10.1177/0036933015606583

Silva FJCP, Almeida ESA, Rocha FC, Santana MAV, Silva ECCM, Lemos LMD; et al. Análise dos registros das prescrições medicamentosas em um hospital universitário. Rev Min Enferm. 2015; 19(3): 539-546. doi: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20150042

Moreira MB, Mesquita MGR, Stipp MAC, Paes GO. Potential intravenous drug interactions in intensive care. Rev Esc Enferm USP. 2017; 51:e03233.

Alves dos Santos PR, Rossi Rocha FL, Cintra Sampaio CSJ. Ações para segurança na prescrição, uso e administração de medicamentos em unidades de pronto atendimento. Rev Gaúcha Enferm. Porto Alegre. 2019; 40(spe): e20180347. doi: https://doi.

org/10.1590/1983-1447.2019.20180347

Magalhães ACAF, Cantanhede AMFC, Drummond BM, Drumond YA, Miranda VF. Avaliação da implantação do serviço de farmácia clínica na Unidade de Terapia Intensiva para contribuir na segurança do paciente. Rev Med Minas Gerais. 2016; 26 (Supl 5): S16-S22.

Hamid T, Harper L, Rose S, Petkar S, Fienman R, Athar SM, et al. Prescription errors in the National Health Services, time to change practice. Scott. Med. J. 2016; 61(1): 1–6. doi: https://doi.org/10.1177/0036933015619585

Brasil. Ministério da Saúde. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente / Ministério da Saúde; Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília : Ministério da Saúde; 2014. 40 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca.pdf

Scrignoli CP, Teixeira VCMC, Prates Leal DC. Interações medicamentosas entre fármacos mais prescritos em unidade de terapia intensiva adulta. São Paulo – Brasil. 2016; 7(2): 26-30.

Marques PP, Assumpção D, Rezende R, Neri AL, Bergano Francisco PMS. Polypharmacy in community-based older adults: results of the Fibra study. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2019; 22(5): e190118. doi: https://doi.org/10.1590/1981-22562019022.190118

Paes GO, Moreira SO, Moreira MB, Martins TG. Incompatibilidade medicamentosa em terapia intensiva: revisão sobre as implicações para a prática de enfermagem. Rev. Eletrônica Enferm. 2017; 19:a20. doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v19.38718

Arnáez FS, Viana TS, Garrido PC, Penãs CF, Cenã DP. El uso de abreviaturas no recomendadas en el informe de alta y prescripción médica: estudio observacional retrospectivo. An. sist. sanit. Navar. 2016; 39(3).

Rangel Ribeiro GS, Giron Camerini F, Mendoza Henrique D, Ferreira Almeida L, Vasconcellos Pereira LM, de Souza Macedo MC. Analysis of nursing aprazamento in an ICU: focus on patient safety. Rev. Pesqui. Cuid. Fundam. 2018; [S.l.]10(2); 510-515. doi: 10.9789/2175-5361.2018.v10i2.510-515

Agência Nacional de Vigilância Sanitária, SINDUSFARMA. Manual das Denominações Comuns Brasileiras. Lauro D. Moretto,

Rosana Mastelaro, coordenadores. São Paulo: SINDUSFARMA; 2013. 706 p. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/

farmacopeia/dcb/arquivos/8140json-file-1

Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos – ISMP. Nomes de medicamentos com grafia ou som semelhantes:

como evitar os erros? Boletim ISMP Brasil – Abril. 2014; 3(6). Disponível em: http://www.ismp-brasil.org/site/wp-content/uploads/2015/07/V3N1.pdf

Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos – ISMP. Medicamentos Potencialmente Perigosos de uso hospitalar e

ambulatorial - Listas atualizadas 2015. Boletim ISMP Brasil – Setembro. 2015; 4(3). Disponível em: http://www.ismp-brasil.org/site/wp-content/uploads/2015/12/V4N3.pdf

Creative Commons License

Esta obra está bajo una licencia internacional Creative Commons Atribución 4.0.

Derechos de autor 2022 Juliana Viana Braga Carvalho, Giovanna Calispto de Rezende, Paula Peclat Flores, Maiara Benevides Moreira, Matheus Kirton dos Anjos, Marluci Andrade Conceição Stipp, Graciele Oroski Paes

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.